SUMA com nova morada

Objetivos estratégicos relacionados com a sustentabilidade e a maior proximidade com acionistas e participadas, conduziram à transição da sede da SUMA do Parque das Nações para o edifício da Mota-Engil, em Linda-a-Velha.

Concretizada em meados do mês de setembro, esta mudança obrigou à remodelação prévia de uma das alas do piso térreo do edifício, por forma a dotar a área das valências necessárias à atividade dos diversos setores da empresa, tendo-se optado por espaços abertos de trabalho, para fomentar a cooperação e fluidez de comunicação e de circuitos.

A idiossincrasia da SUMA em termos de mobilização de comportamentos aliada à postura pedagógica que lhe é reconhecida ditou os elementos condutores do novo espaço, cuja incidência reside na desconstrução de mitos urbanos no que aos resíduos concerne. “A Natureza aguenta”, “Sujar cria postos de trabalho”, “Há poucos ecopontos” e “Uma pessoa não faz a diferença” são apenas algumas das perceções coletivas enraizadas, a que se contrapõem argumentos qualitativos e quantitativos de civismo em espaço público e se enumeram vantagens individuais associadas.

Também o lounge, zona de convívio e pequenas refeições, foi dotado de novas funcionalidades dinamizadoras, nomeadamente locais próprios para permuta de livros usados, recolha de tampas de plástico e de rolhas de cortiça, disponibilização de canecas para reutilização, em detrimento dos suportes descartáveis, bem como locais de escrita e de fixação de recortes de imprensa, para fomentar a troca de ideias ambientais.